Economia e Mercado

Avianca Brasil, uma análise da crise

dezembro 13, 2018
Tempo de leitura 4 min

Nas últimas semanas duas notícias preocupantes abalaram a Avianca, seus tripulantes e amantes da Cia Aérea. Inicialmente as empresas BOC Aviation e Infinity Transportation solicitaram e conseguiram na justiça a reintegração de posso de 14 aeronaves por falta de pagamento. Já no dia 11/12 a Avianca Brasil entrou com um pedido de recuperação judicial, de 50 milhões de reais, com o intuito de evitar a paralisação de suas atividades no Brasil. No entanto segundo a lista de credores anexada ao processo, o valor é de R$493,8 milhões

Ambas as notícias estão diretamente relacionadas e refletem a crise que a empresa vem enfrentando no Brasil, e que está gerando uma adequação de sua frota atual e readequando e reestruturando a sua malha. Com isso devemos esperar uma redução do número de aeronaves da companhia nos próximos meses.

A empresa, no entanto, informou que irá manter todos os voos programados e que “Os passageiros podem ter absoluta tranquilidade em fazer suas reservas e adquirir seus bilhetes, pois todas as vendas serão honradas e os voos, mantidos”.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Analise da Avianca Brasil

O início das operações da companhia aérea se deu em 1998 e se iniciou com um histórico devedor, quando dois clientes da empresa dos fundadores, José e German Efromovich, ofereceu dois aviões como forma de pagamento de uma dívida. A princípio sua utilização era apenas para transportar suas equipes e para uso pessoa, mas em pouco tempo foi vista uma oportunidade de negócio e foi fundada a empresa de táxi-aéreo Ocean Air. Já em 2002 a empresa entrou no mercado de aviação comercial e em 2004 German Efremovich adquiriu a Avianca Colômbia. Em 2010 a Ocean Air passou a se chamar Avianca Brasil.

Desde o inicio a empresa apresentava sintomas que se refletem até hoje, um crescimento da participação de mercado, aumento da frota, mas um planejamento conturbado e pouca lucratividade. Por muito tempo houve uma dificuldade na composição de sua frota, gerando muitos custos extras e, uma grande resistência de entrar no mercado de baixo custo, sempre com preços mais altos e optando por trabalhar com um serviço diferenciado.

A Avianca possui hoje 13,6% do mercado nacional e é uma das poucas companhias que vem crescente em participação de mercado nos últimos anos. Enquanto diversas empresas optaram por reduzir os seus custos, melhorar a sua ocupação média e buscar a lucratividade, a Avianca teve como foco o crescimento. A empresa, no entanto, não foi ao mercado buscar capital, para sustentar o seu crescimento, assim como a Azul que capitou cerca de R$2 bilhões em seu IPO de 2017. Com isso o crescimento não se tornou sustentável e mesmo com um faturamento crescente, as dívidas se acumularam nos últimos anos.

É importante ressaltar que a Avianca Brasil ainda se chama Oceanair no papel, e é uma empresa independente da Colombiana Avianca Holdings S.A, não tendo relação financeiro com a empresa colombiana e tendo o seu nome vinculado apenas devido a um Contrato de Licença de Uso de Nome.

Os impactos na aviação nacional

Diferente do que muitos podem pensar, a crise da Avianca não reflete uma crise geral da aviação nacional e não deve ser uma preocupação para profissionais do setor. As principais empresas nacionais vêm se reestruturando, melhorando a eficiência da sua frota, sua ocupação média e reajustando os custos.

Nos dados financeiros de 2017, Gol, Latam e Azul apresentaram resultados positivos, revertendo um cenário de anos de prejuízo contábil, já a Avianca Brasil foi no sentido contrário. Os números refletem um amadurecimento do mercado nacional, com empresas sendo financeiramente saudáveis mesmo em meio à maior crise econômica do Brasil, e com o dólar beirando os R$4,00.

De acordo com Peter Cerdá, VP da IATA, os casos de recuperação judicial de companhias aéreas são comuns na América Latina, e que o seu espaço no mercado brasileiro deve ser ocupado por outras empresas, caso a empresa venha a reduzir ou encerrar suas atividades.

O mercado também não vem se mostrando muito preocupado com a crise da Avianca, nos dias seguintes a recuperação judicial as ações da GOL e da AZUL dispararam mais de 10% e já estão retomando o fôlego perdido nos últimos anos.

Fora isso a Avianca Brasil deve ainda receber um aporte de US$456 milhões da United Airlines, segundo um dos fundadores, a acordo já estava fechado a algum tempo, mas os arrendadores das aeronaves não esperaram o recebimento do aporte e entraram com o pedido de recuperação das aeronaves de maneira precipitada.

E aí, gostou deste conteúdo? Se quiser ficar por dentro de tudo sobre o mundo da aviação, é só seguir a gente nas redes sociais. Estamos no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e LinkedIn.

grafico-aviacao-brasil

Fontes:

https://www.valor.com.br/empresas/6021313/avianca-pede-recuperacao-judicial-com-divida-de-r-4938-mihoes

https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/12/colombia-diz-nada-ter-a-ver-com-crise-da-avianca-brasil_160953.html

http://www.anac.gov.br/assuntos/dados-e-estatisticas/mercado-do-transporte-aereo

https://oglobo.globo.com/economia/ocean-air-muda-de-nome-para-avianca-brasil-3017876

https://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/12/11/historia-avianca/

https://economia.uol.com.br/noticias/estadao-conteudo/2018/12/12/recuperacao-judicial-da-avianca-brasil-pode-ser-sinal-de-consolidacao-diz-iata.htm

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário