Curiosidades

Companhias Aéreas Que Não Existem Mais

04/11/2019
companhias-aereas-que-nao-existem-mais

A aviação brasileira tem muita história para contar. Os voos comerciais começaram em 1927 e desde então, muitas companhias aéreas transportaram passageiros por esse Brasil afora. Algumas delas, apesar de tradicionais e muito conhecidas, tiveram a infelicidade de fechar as portas. Conheça aqui as companhias aéreas que não existem mais.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

PanAir

Nasceu em 1929, ainda com o nome de NYRBA, sigla que unia as iniciais das cidades de New York, Rio de Janeiro e Buenos Aires. Em 1930, foi adquirida pela americana PanAm e teve seu nome alterado para PanAir.

A PanAir foi referência em qualidade de voos nacionais e internacionais até 1965, quando teve seus aviões e trajetos transferidos para a Varig e a Cruzeiro do Sul.

Esse fato se deu, devido a uma decisão do Governo brasileiro em bloquear a autorização de operar da companhia.

Transbrasil

Quando criada, em 1955, recebeu o nome de Sadia Transportes Aéreos, pois era utilizada para realizar o transporte de produtos alimentícios da Sadia entre o Sul e o Sudeste.

Já em 1956, o negócio cresceu e a companhia começou a operar voos comerciais. O nome Transbrasil foi adotado pela companhia em 1972, tendo nas décadas de 1970 e 1980 seu período de maior sucesso.

Operou voos internacionais com suas conhecidas aeronaves coloridas e inovou com a utilização dos primeiros Boeing 767, em 1983. Apesar disso a Transbrasil sofreu com crises durante os anos 1990, o que resultou em sua falência em 2001.

Cruzeiro do Sul

Surgiu em 1927, surgiu sob o nome Syndicato Condor, derivada de uma companhia alemã. Após a Segunda Guerra Mundial, a empresa cortou totalmente os laços germânicos, passando a se chamar Serviços Aéreos Cruzeiro do Sul.

Tornou-se uma das maiores companhias aéreas do País, mas na década de 1970 foi comprada pela Varig. Ela ainda operou por um período sob o nome de Varig/Cruzeiro, mas foi perdendo sua força, até desaparecer por completo em 1993.

Vasp

Foi criada em São Paulo no ano de 1933, inicialmente realizando voos entre a Capital Paulista e o interior, partindo do Campo de Marte. Foi estatizada em 1935, passando a ser administrada pelo Governo do Estado de São Paulo.

Nas décadas seguintes, teve um crescimento exponencial até que em 1990 foi privatizada pelo Grupo Canhedo, que implementou uma estratégia audaciosa de expansão.

No entanto, as aquisições de modernos aviões e rotas internacionais culminaram em altas dívidas e consequentemente, no fim de suas operações. A falência foi decretada em 2008.

Real Aerovias

Foi fundada em São Paulo, no ano de 1945, para fazer a rota entre a Capital Paulista e o Rio de Janeiro. Cresceu rapidamente, adquirindo pequenas companhias e expandindo suas rotas, chegando a outros países da América do Sul, Estados Unidos e Japão.

Possuía uma das maiores frotas de aviões do mundo. Entretanto, foi comprada pela Varig em 1961.

Varig

Constituída em 1927, a Viação Aérea Rio Grandense, ou simplesmente Varig cresceu aos poucos até se tornar uma das melhores companhias aéreas do mundo, entre as décadas de 1950 e 1970.

Aplicava as últimas inovações tecnológicas em suas aeronaves, sobretudo, em melhorias direcionadas aos passageiros.

Em 1959, já operava jatos comerciais, e em 2001 recebeu os primeiros exemplares de Boeings com televisores acoplados aos bancos.

Infelizmente, todo esse sucesso e inovação não a livraram de crises financeiras. A forte concorrência, as altas despesas empresariais e alterações nas regulações aéreas colaboraram para sua falência, que foi decretada definitivamente em 2010.

E então, gostou de relembrar um pouquinho da história dessas companhias aéreas já extintas? Já voou em alguma delas?

Para ficar por dentro de tudo sobre o mundo da aviação, nos siga nas redes sociais e acompanhe nossas melhores publicações! Estamos no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram, Pinterest e LinkedIn.

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário