2021-aviacao

Expectativas para 2021 na Aviação

Tempo de leitura 3 min

A pandemia da COVID-19 afetou profundamente a aviação em 2020. O repentino fechamento de fronteiras e cancelamento de voos foi o começo de um período de desafios para o setor. A situação que parecia que duraria alguns meses já se estende por um ano. Conforme entramos em 2021, o que muitos querem saber é o que podemos esperar para a aviação neste novo ano.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

É inegável que as empresas e os profissionais de aviação precisaram se reinventar e se adaptar para se manterem operando em 2020. No entanto, a situação atual não é sustentável e o fim da crise em um futuro próximo é a esperança do mercado para voltar a ser lucrativo como antigamente.

Enquanto existem expectativas positivas por causa do início da vacinação, é preciso ter cautela e acompanhar as novidades dos próximos meses e anos com um olhar crítico e realista. Entenda quais são as expectativas para 2021 na aviação e fique preparado para os desafios deste ano.

O prejuízo contínuo e a tentativa de recuperação da aviação em 2021

O cenário da aviação em 2021 é delicado. Os prejuízos que o mercado sofreu em 2020 foram maiores do que o previsto inicialmente. Segundo relatório da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) feito em novembro, os novos cálculos mostraram uma perda de 118 bilhões de dólares, bem mais do que os 84 bilhões do estudo de junho.

A nova estimativa do IATA para este ano é de uma perda de 38 bilhões de dólares, mais do que o dobro do prejuízo de 15 bilhões esperado pelo estudo de junho. A demanda por voos também subirá em 50% em relação a 2020, mas ainda está abaixo do público de 2019. Assim, embora o prejuízo seja inevitável, 2021 promete resultados um pouco melhores do que 2020.

A perspectiva se deve a uma possível melhora da crise pandêmica durante o ano. A projeção é que em meados de 2021 nós tenhamos uma maior abertura das fronteiras por causa da vacinação e do controle com testes e quarentenas. Se isso acontecer, será possível começar a retomada ainda em 2021, resultando em um último trimestre mais positivo na aviação.

Enquanto os voos com passageiros estão em xeque, a história é outra para os aviões de carga. Apesar de ter sofrido uma ligeira queda de volume transportado em 2020, o esperado para esta categoria neste ano se equipara a 2019. Além da mercadoria padrão, o transporte aéreo de vacinas para COVID-19 vai ter um papel importante no mercado como um todo.

O problema da pandemia é maior do que a aviação e o setor se encontra dependente de medidas externas para ter uma melhora neste ano. No entanto, as empresas precisam estar preparadas para eventual, embora lenta, retomada. Os protocolos de higienização, de distanciamento social e de testagem que já estão em prática nos poucos voos atuais devem continuar ao longo deste ano.

Manter o corte de gastos é igualmente essencial para fazer melhor uso dos baixos rendimentos. Optar por aeronaves menores e repensar as rotas são estratégias indispensáveis enquanto a crise continuar.

Em conclusão, embora exista uma visão otimista para o final do ano, 2021 ainda será um ano difícil para a aviação. O mais importante no momento é se manter informado e resiliente, para se adaptar às mudanças que estão por vir.

Continue conectado à aviação com nossos produtos e livros. Acesse o site e confira!

Para ficar por dentro de tudo sobre o mundo da aviação, nos siga nas redes sociais e acompanhe nossas melhores publicações! Estamos no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram, Pinterest e LinkedIn.

Conheça a eBianch, a maior plataforma de ensino a distância para pilotos e entusiastas de aviação, Centro de Instrução de Aviação Civil homologado pela Anac, acesse www.ebianch.com

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.